O Clubhouse é a nova rede social do momento. Adere-se by invite only. Funciona exclusivamente com áudio e ao vivo. E (ainda) está disponível unicamente para iphones.

Clubhouse | Como funciona?

É uma espécie de clube, como o nome o indica, privado ou pelo menos seletivo, onde apenas circulam membros convidados por outros membros. Encontram-se em salas para conversar sobre tudo ou nada (por vezes literalmente), partilhar histórias e trocar ideias. Não há chats. Uma curta bio substitui os habituais perfis. Podem seguir e ser seguidos. Aderir espontaneamente a salas ou programar ouvir uma conversa. Criar um chat room (privado ou público) e assumir o papel de moderador ou simplesmente ser espetador.

« É a nova rede social do momento, By invitaion only.»

Quais os seus encantos? | E desencantos?

A sua singularidade! O formato: áudio, ao vivo, espontâneo como uma verdadeira conversa de café entre amigos aos quais se juntam os habitués. Aqui o que não se vive, perde-se, pois nada é gravado. A própria conversa flui de forma natural, por vezes transvasando os limites do próprio tema: tudo é natural, cru (por vezes demasiado), quase genuíno. Quase, pois é claramente também um espaço de promoção pessoal e profissional, por vezes orquestrada com grande mestria pelos próprios moderadores. Como em tudo há que ter discernimento e há que saber filtrar o que por aqui se ouve: nem tudo o que brilha é ouro e, tal como em outras redes, também há desinformação a circular e wannabes em busca de notoriedade.

Mas a atração do áudio, consumível em qualquer momento e local e a ilusão da socialização leva-nos a esquecer o dark side desta rede e a perdoar-lhe os seus pecados: em termos de privacidade, por vezes da brutalidade dos temas e da linguagem, e, como outras redes, o seu poder manipulador. É uma rede aditiva e particularmente fascinante pela ausência de censura e pelo igualitarismo que oferece à elite que são os seus membros. Aqui não há a barreira da idade, da cor, do cargo: deixamos para trás o pais dos “Doutores” para entrar noutra dimensão onde já houve quem se cruzasse com Oprah Winfrey, Marc Zuckerberg ou Elon Musk. Não há que ter papas na língua e todas as opiniões são bem vindas: uma lufada de ar fresco, neste segundo confinamento que se arrasta e nos arrasa.

« A sua singularidade? O formato: áudio, ao vivo, espontâneo como uma verdadeira conversa de café entre amigos aos quais se juntam os habitués.»

A App de que toda a gente fala | And so what?

O Clubhouse escolheu surfar a onda certa, no momento certo, ao escolher um modelo de comunicação subavaliado: o áudio. Uma tendência que já transparecia do crescimento dos podcasts, mas que explode sobre o efeito Clubhouse. Numa altura em que as pessoas anseiam por real time conversation e social gathering, a plataforma dá corpo e voz a estes dois conceitos, com as suas salas de chat em áudio e ao vivo. Este mix de conversas de café, rádio e webinars, veio dar novas cartas no que toca ao social media marketing. E aliás até as marcas (e os partidos políticos) já o perceberam e já marcam aqui presença, de forma mais ou menos óbvia.

O Clubhouse é assim um espaço para networking, para aprender e/ou que pode servir de palco para indivíduos e empresas. Permite interagir com pessoas com os mais variados backgrounds e profissionais dos mais diversos setores, sem barreiras hierárquicas ou outras. E o foco está na partilha de ideias e na qualidade da conversa que alimenta o debate.

    Assim, é uma plataforma perfeita para:

    • Fazer curadoria de conteúdos, sendo que as salas são espaços privilegiados para agregar informação, testar temáticas, etc…
    • Organizar ou promover eventos virtuais (concertos, podcasts, conferências,…) criando comunidades e apetência em torno dos mesmos;
    • Iniciar projetos colaborativos, sendo que em qualquer momento podemos convidar moderadores ou intervenientes para salas privadas e explorar espontaneamente oportunidades de colaboração ou parceria.
    • Dar relevo a marcas na sua vertente de early adopters. Aliás, algumas marcas e profissionais já promovem espaços de conversas que demonstram os seus valores, a sua expertise e os tornam mais apetecíveis para potenciais clientes, parceiros e colaboradores.
    • E last but not least, fazer networking you-could-only-dream-of, uma vez que a plataforma permite a qualquer um partilhar o palco, interagir e receber feedback em tempo real de outros profissionais, empreendedores, CEO de empresas, celebridades, multimilionários e até quem sabe, futuristas como Elon Musk.

    « É a plataforma perfeita para fazer networking you-could-never-dream-of. »

    Last but not least | O paradigma dos Jelly Beans do Harry Potter

    O Clubhouse é claramente o novo terreno de jogos dos marketers e um espaço de faz as delícias de ativadores de marcas no mundo digital, como nós, MarketShow. Mas como qualquer terreno de jogos tem os seus perigos escondidos e os seus rufias. Para os empresários e responsáveis de marketing que estão atualmente assoberbados por um mundo em constante mutação e pela descoberta de um universo digital tão ou mais complexo que o físico, pode ser visto como um shortcut para obter respostas e ajudas. É aditivo, energizante, enriquecedor, mas atenção, como tudo é a consumir com moderação e com muitos filtros.

    É um pouco como os Bertie Bott’s Every Flavour Beans do Harry Potter. Aqui encontramos todos os sabores imagináveis, e não podemos saber qual nos vai sair sem o experimentar. Mas atenção, é como tudo na vida: “there is a risk with every mouthful!” como dizia Ron Weasley...

    « O Clubhouse é aditivo, energizante e enriquecedor, mas atenção como tudo é a consumir com moderação e com muitos filtros. »

    Criado em Abril de 2020, o Clubhouse já era valorizado em $100 Mio, em Maio de 2020, com apenas 1500 utilizadores. Em Silicon Valley, o pensamento era unanime:It’s either dead by July or it’s something big“. Pois bem: “It’s something big! Hoje ronda os quase 6.8 Mio de utilizadores e há várias semanas que é a app mais popular na App Store. E até já tem challengers, e de peso. O Instagram anunciou uma nova ferramenta para criar vídeos em direto com vários participantes e novas lives rooms onde é possível organizar conversas, podcasts ou concertos ao vivo. E o Twitter já estreou os seus Twitter Spaces e está a ganhar terreno, nomeadamente em Portugal, graças a todas as suas novas funcionalidades (mas voltaremos ao Twitter noutra altura).

    Seja como for, challengers or no challengers, o Clubhouse é a tendência do momento, brevemente (também) disponível num android perto de si.

    Somos brand activators num mundo híbrido. Descubra como o podemos ajudar a potenciar as suas campanhas no universo digital. Fale connosco: marketshow@marketshow.pt

    #socialmediamarketing #influencermarketing #digitalmarketing #brandactivation #marketing #happybrands #changeyourmindset #happypeople #happytalents #marketshow #wemakeithappy

    How interesting was this post?

    Click on a smiley to rate it!

    Average rating 4.9 / 5. Vote count: 9

    No votes so far! Be the first to rate this post.

    We are sorry that this post was not interesting for you!

    Let us improve this post!

    Tell us how we can improve this post?