Não é necessário qualquer pretexto, nem um momento ideal, para se falar de marketing inclusivo. Mais do que uma tendência o marketing inclusivo é já um must. É importante, para o marketing do século XXI, espelhar a sociedade como um todo e reconhecer que o consumidor é díspar nos seus credos, raça, género, idade, sexualidade, parâmetros de beleza, etc. Isso implica abandonar o recurso a estereótipos, ou lugares comuns, e não hesitar em integrar grupos minoritários, sejam eles quais forem, nas decisões de marketing mix e nas estratégias de comunicação.

Como muitas outras preocupações atuais, esta necessidade de abraçar a pluralidade dos nossos públicos, tem de ser compreendida e praticada de forma genuína pelas marcas, por forma a evitar o social washing. “Uma atitude vale mais do que mil palavras”: uma frase que traduz a realidade para a qual as empresas devem estar mais atentas do que nunca.

Da retórica à ação

Já lá vai o tempo do marketing de intenções, em que uma marca manipulava o seu discurso no sentido de se adaptar aos desejos e expectativas dos seus clientes.

Hoje em dia, na era da informação e do social media, o consumidor já não está disponível para aceitar e ouvir qualquer discurso. Se queremos ser convidados para a sua esfera, temos de ganhar o seu respeito e a sua confiança. E para isso, já não basta uma tomada de posição em termos sociais, ambientais ou econômicos: há sim que demonstrar e agir!

É na ação que conseguimos interagir com o nosso público e nos fazer ouvir, verdadeiramente, pelo mesmo. É aí que a comunicação realmente acontece e que temos a oportunidade de lhe lembrar o quanto compreendemos as suas necessidades e expectativas e o quanto ele pode contar connosco ao seu lado.

Segundo o artigo Authentically Inclusive Marketing da Deloitte, 57% dos consumidores são mais fiéis às empresas que se comprometem a desafiar as desigualdades sociais nas suas ações. E para as gerações mais novas, em particular, na escolha de compra de um produto, pesam cada vez mais as considerações sociais.

Muitas são as marcas e empresas que perceberam, portanto, a importância de praticar um marketing inclusivo e de romper com as abordagens tradicionais em termos de marketing mix. Mas isso exige o esforço de ir ao encontro dos seus públicos diversos. De ouvir e perceber o significado por detrás das suas interações. E de alinhar valores e estratégias de comunicação em consequência.

“57% dos consumidores são mais fiéis às empresas que se comprometem a desafiar as desigualdades sociais nas suas ações.”

O marketing do século XXI deve ser inclusivo, mas não manipulativo

Num sentido prático, a inclusão na área do marketing implica uma reflexão sobre a sociedade como um todo e sobre a realidade de grupos que durante anos nunca foram retratados na comunicação.

O marketing inclusivo é aquele em que, quando criamos as nossas personas, consideramos todos os aspetos da sociedade e em que procuramos comunicar com e para uma audiência diversificada, com perspetivas variadas. Deve romper com estereótipos, mas sem cair na tentação contrária de usar e abusar de “contra-estereótipos”.

O novo marketing é multirracial e multicultural, defende a igualdade entre os gêneros e reconhece e valoriza as diferenças de culturas, religiões, sexualidade, etc. Reconhece, mas sem ir ao ponto de explorar as mesmas numa qualquer tentativa de social redemption.

É importante que as marcas incluam na sua abordagem que todos somos diferentes e que abordem a inclusão numa perspetiva global. Mas como em todos os aspetos societais e ambientais que hoje em dia são tema prioritário para os consumidores, a abordagem tem de ser transparente e genuína. Não só em termos de posicionamento e comunicação, mas também de forma transversal a toda a empresa.

A marca, a empresa por detrás da mesma, os seus parceiros, os seus colaboradores, os seus públicos formam um ecossistema per si. Todos os elementos têm de estar em sintonia, para podermos falar em credibilidade e confiança e criar verdadeiras comunidades em torno das nossas marcas, quiçá de embaixadores e brand lovers.

“O novo marketing é multirracial e multicultural, defende a igualdade entre os gêneros e reconhece e valoriza as diferenças (…). Reconhece, mas sem ir ao ponto de explorar as mesmas numa qualquer tentativa de social redemption.”

Hoje em dia, empresas e marcas têm de ser inclusivas e pluriculturais. Este reconhecimento da pluralidade na nossa sociedade tem de estar presente em todos os aspetos do marketing mix, ao longo de toda a customer journey e a todos os níveis da empresa. Mais do que uma estratégia, o marketing inclusivo é um autêntico movimento abrangente e transversal. Que reconhece a diversidade como uma das chaves da comunicação, mas ao mesmo tempo assume-a como uma forma de estar e não apenas de comunicar.

E justamente, estamos aqui para o ajudar a navegar neste mundo pluricultural e multidimensional, cada vez mais intricado e fragmentado, com narrativas cada vez mais complexas que requerem estratégias de comunicação e ativação fora da caixa. Somos early adopters. E é com uma visão omnichannel que atuamos para amplificar a sua marca no universo físico, digital e mais além…

Fale connosco: marketshow@marketshow.pt

#marketing #marketingtrends #inclusivemarketing #socialresponsability #marketing2022 #changeyourmindset #happybrands #happypeople #happytalents #marketshow #wemakeithappy

How interesting was this post?

Click on a smiley to rate it!

Average rating 5 / 5. Vote count: 2

No votes so far! Be the first to rate this post.

We are sorry that this post was not interesting for you!

Let us improve this post!

Tell us how we can improve this post?